O que é CDB e tudo o que você precisa saber sobre ele

5 minutos
|13/03/2020
O que é CDB e tudo o que você precisa saber sobre ele
Investimento Imobiliário

O CDB, como é conhecido o Certificado de Depósito Bancário, é um dos investimentos mais populares por se adaptar bem a diversos tipos de carteiras. Sendo indicado para investidores com perfil desde conservador até arrojado, sua flexibilidade permite que seja empregado para os mais diversos fins, de acordo com os objetivos de cada investimento.

Muito conhecido pela grande segurança da sua aplicação, é possível encontrar opções de CDB com diferentes taxas de rentabilidade e liquidez no mercado. Por ter um bom potencial de retorno e garantia sólida de recebimento do dinheiro, o CDB é uma das alternativas preferidas dos investidores para aumentar a estabilidade da sua carteira de investimentos.

Assim, é uma ótima opção para que os investidores imobiliários equilibrem os seus investimentos na área de imóveis com um retorno fixo, que garante solidez para os seus negócios mesmo em momentos turbulentos do mercado. Descubra a seguir o que é o CDB e tudo o que você precisa saber sobre ele para começar a tirar proveito das inúmeras vantagens que este investimento pode oferecer para a sua carteira.

O que é o CDB?

O Certificado de Depósito Bancário é uma das formas que os bancos possuem de adquirir recursos para financiar seus projetos e atividades. Ao investir em um CDB, você estará fazendo um empréstimo do seu dinheiro ao banco e recebendo em troca o seu dinheiro corrigido com juros – que serão a sua taxa de rentabilidade em cima do negócio.

Assim, o funcionamento do CDB é bastante simples: essencialmente, funciona como qualquer outro empréstimo. A diferença é que, neste caso, o banco deve dinheiro a você e deve arcar com os juros a serem pagos para o seu bolso.

De forma geral, existem três tipos de CDB, definidos de acordo com o tipo de juros do contrato. O primeiro tipo é o prefixado, em que o investidor negocia uma taxa predefinida com o banco no momento de fazer o investimento, e sabe exatamente quanto irá receber após o prazo da aplicação. Assim, é a preferida de quem quer ter o máximo controle possível sobre o seu investimento.

O segundo tipo é a pós-fixada, que efetua o pagamento dos juros de acordo com as taxas de uma tabela de referência. No geral, é utilizada a tabela da CDI, que costuma possuir valores próximos à tabela da Selic. Neste caso, é acordado um percentual a ser pago ao fim do contrato com base no valor da tabela, que pode ir desde 70% até mais de 100% da CDI. Quanto maior o percentual, maior a sua rentabilidade.

Por fim, existe o CDB com remuneração híbrida, em que a rentabilidade possui uma taxa fixa de retorno e uma variável, que é calculada de acordo com um índice de inflação. Normalmente, é utilizado como índice o IPCA.

Os bancos menores costumam precisar mais deste tipo de recurso do que os bancos grandes e, por isso, frequentemente oferecem taxas de rentabilidade mais atrativas. Contudo, estas taxas variam muito de acordo com a instituição, então vale a pena pesquisar antes de fazer o seu investimento.

Quais as taxas envolvidas?

Uma das grandes vantagens dos investimentos CDB é que não são cobradas taxas para esta aplicação. O único tributo obrigatório é o Imposto de Renda, que varia de acordo com o prazo de retorno dos recursos. Para investimentos de até 180 dias, o valor é de 22,5% do lucro; para aplicações de 181 a 360 dias, é 20% do lucro; para prazos de 361 a 720 dias, é de 17,5%; e para mais de 721 dias, é de 15%. Para aplicações de menos de 30 dias, existe um outro tributo devido: o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

Qual o prazo de retorno da aplicação?

O prazo pode ser muito variável, de acordo com as modalidades oferecidas por cada instituição. No geral, os investimentos CDB com maior prazo de retorno proporcionam maiores taxas de rentabilidade, além de diminuírem o percentual do IR a ser pago. No entanto, existem também opções com liquidez diária para quem não quer se comprometer a deixar o dinheiro retido por um tempo determinado.

Qual o valor mínimo a ser investido?

Novamente, varia muito de acordo com a instituição. Normalmente, os bancos começam com quantias de 10 ou 30 mil reais. Entretanto, já é possível encontrar várias opções que aceitam valores muito mais baixos para começar a investir, como a partir de mil reais.

Que riscos o CDB apresenta?

O CDB apresenta riscos baixíssimos ao investidor, sendo que o principal deles é o de crédito. Neste cenário, a instituição bancária declara falência e não possui recursos para pagar o valor devido ao investidor.

No entanto, o investimento CDB é garantido pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) para limites de até R$250.000,00. Desta forma, o investidor está protegido e receberá seu investimento de volta mesmo em caso de quebra do banco para investimentos com até este valor. Por este motivo, o mais indicado é que valores acima de 250 mil sejam divididos e aplicados em instituições diferentes, para minimizar os riscos.

O CDB pode ser um grande aliado para que os investidores imobiliários gerenciem seus recursos com mais estabilidade e aumentem a rentabilidade da sua carteira de investimentos em imóveis. Para acessar mais conteúdos sobre investimentos ou para conhecer novos empreendimentos disponíveis para investidores, visite o site da Vitacon!

Compartilhar

Novidades Vitacon

Assine nossa newsletter e acompanhe nossas notícias sempre em primeira mão:

whatsapp