ON Blog

Seja bem-vindo
ao Blog da Vitacon

Fale Conosco
  • Whatsapp
    11 97534 6551
  • Chat
    Online Agora
  • Telefone
    11 3588 4101

Livro apresenta geração que acha que o lar pode estar em qualquer lugar

Imprensa • 16/12/2020 • min. Livro apresenta geração que acha que o lar pode estar em qualquer lugar

Publicado por TV Cultura*

"Como Viver em um Mundo Sem Casa" é dos autores Leão Serva e Alexandre Frankel

Escrito por Leão Serva, diretor de jornalismo da TV Cultura, em parceria com o empresário Alexandre Frankel, o livro “Como Viver em um Mundo Sem Casa” tem a proposta de apresentar uma nova geração que vê a residência de uma forma diferente.

 

A obra traz estudos sobre o desejo dos jovens em ressignificar o ambiente de moradia. De acordo com o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), 82% das pessoas entre os 18 e 24 anos de idade preferem morar em imóveis com contratos flexíveis ao invés de se comprometer a longos financiamentos para a casa própria. Outro dado mostra que para 76% desse público, morar em um lugar adequado à fase da vida é uma tendência real.

 

Um dos capítulos do livro traz o conceito da "geração sem casa”, que se trata, em sua maioria, de jovens adeptos ao trabalho remoto, que desejam liberdade para morar onde quiserem, a médio e longo prazo, e de forma desburocratizada.

 

Há depoimentos de pessoas que decidiram não viver em função de um local único e o olhar de especialistas, como a socióloga Célia Belém, o economista Gesner de Oliveira (FGV), os professores da Universidade de Columbia (EUA) Shawn Amsler e Pedro Rivera além do professor e cientista político do MIT, Ben Ross Schneider.

 

"No início deste semestre, realizamos um webinário junto com estes especialistas, construindo um verdadeiro think tank de conteúdos inéditos. Isso permitiu que a gente compilasse as informações e as transformasse em um livro de tendências de moradia para os próximos anos", explica Frankel.

A chegada da pandemia de Covid-19 também é abordada no material, já que a crise sanitária acelerou outras tendências que vinham mudando o comportamento das pessoas, como o trabalho por home office.

 

Imagens: Divulgação

Relacionados