ON Blog

Seja bem-vindo
ao Blog da Vitacon

Fale Conosco
Entre em contato
  • Relacionamento com Cliente
  • Telefone
    11 3039 7300
  • Vendas
  • Whatsapp
    11 97534 6551
  • Chat
    Online Agora
  • Telefone
    11 3588 4101
  • Outro

A evolução da economia colaborativa em uma escala global

Economia colaborativa • 28/01/2020 • min. A evolução da economia colaborativa em uma escala global

Essa revolução foi impulsionada pelos smartphones e a conectividade da internet móvel, agilizando o processo de busca e contratação dos serviços desejados. Assim, as transações anteriormente frustrantes tornaram-se descomplicadas e desburocratizadas. Isso engloba desde novas formas de investimento até closets de roupas compartilhadas.

Portanto, para saber mais sobre como essa inovação impacta a vida das pessoas nas grandes metrópoles, continue a leitura do artigo de hoje!

As oportunidades da economia colaborativa

A economia colaborativa é representada por um conjunto de plataformas que vem crescendo rapidamente ao permitir que os usuários obtenham acesso temporário a vários ativos. O tamanho exato desse movimento econômico ainda é difícil de ser estimado, porque boa parte das plataformas são privadas.

Com os muitos desenvolvimentos tecnológicos em vários campos, os produtos baseados na economia colaborativa estão melhorando e os modelos de negócios estão prosperando quando apps são testados no mundo real. Pode-se supor que o futuro desse movimento seja positivo, pois muitos desses modelos de negócios da economia compartilhada estão indo muito bem e trazendo grande praticidade à vida das pessoas.

Hoje em dia, os consumidores estão, até mesmo, dispostos a pagar preços mais altos por mercadorias que podem gerar um fluxo de receita sendo compartilhadas com outras pessoas.

Em seu relatório à Comissão Europeia, a PriceWaterhouseCoopers (PwC) distinguiu cinco setores-chave da economia colaborativa: acomodação ponto a ponto, transporte ponto a ponto, serviços domésticos sob demanda, serviços profissionais sob demanda e financiamento colaborativo.

O consumo colaborativo no mundo atual

O crescimento explosivo da economia colaborativa surpreendeu até mesmo os especialistas de mercado mais otimistas. Em 2009, existiam poucos serviços, sendo os mais conhecidos o Uber e o Airbnb. Agora, existem milhares de plataformas operando em quase todos os setores e atividades em todo o mundo.

Aplicativos para contratação de ferramentas, bicicletas e até cozinhas profissionais são alguns exemplos que estão sendo utilizados ao redor do mundo.

O sucesso do modelo pode ser atribuído ao seu minimalismo, à grande facilidade de uso e, também, à oportunidade de o cidadão economizar dinheiro. O compartilhamento se torna, com isso, cada vez mais popular, principalmente em grandes centros urbanos, oferecendo a qualquer pessoa a oportunidade de acesso a bens e serviços conforme sua demanda.

E isso já está mudando bastante também nossa economia. O Airbnb e o Uber, por exemplo, têm um valor de mercado combinado de US$ 103 bilhões, o que os classificaria como o 38º país mais rico do mundo.

O futuro da economia colaborativa

Um futuro em que a maioria das transações comerciais é conduzida ponto a ponto tem se tornado a regra e não a exceção.

Muitos empreendedores entenderam que o compartilhamento de bens estimula o crescimento econômico, transformando ativos parados em dinheiro. Com isso, cada vez mais a posse de objetos está se tornando uma noção ultrapassada - o direito de uso é que deve se sobrepor.

Compartilhar não é um modo de vida completamente novo, pois o aluguel de bens existe há muito tempo. O que muda é que a tecnologia e a facilidade de conexões atual aumentaram a acessibilidade e a conveniência para os usuários, o que tem estimulado o surgimento de novos negócios nunca antes vistos.

De acordo com dados trazidos pela consultoria PwC, espera-se que economia compartilhada continue a crescer nos próximos anos. Se em 2014 ela movimentou US$ 15 bilhões, a expectativa é que em 2025 o montante alcance a casa dos US$ 335 bilhões.

Dessa forma, conforme essa tendência aumenta, pessoas físicas e empreendedores estão cada vez mais interessados em fazer negócios por meio da economia colaborativa.

E isso deve também refletir no mercado de trabalho. Estima-se que até 30% da força de trabalho na Europa e nos Estados Unidos seja formada por profissionais que atuam em plataformas da economia colaborativa - e a tendência é que esse percentual cresça nos próximos anos.

A tecnologia ajudou a economia colaborativa a avançar para onde está hoje - e a tendência deve continuar à medida que nos tornarmos mais conectados. Se já percebemos como o jogo mudou em setores como transporte, nos próximos anos, diversos outros setores tradicionais também deverão sofrer mudanças impactantes.

Você gostou deste artigo sobre economia colaborativa? Quer receber mais materiais como este? Então, siga nossos perfis nas redes sociais. Estamos no Facebook, Instagram, LinkedIn e YouTube. Até a próxima!

Relacionados