African woman eating stack burger at restaurant with friends. Happy young woman having junk food at cafe with friends.

Parece, mas não é! Quem está em busca de moradia dentro dos parâmetros da economia compartilhada pode até confundir as opções em um primeiro momento, imaginando tratarem-se de sinônimos, mas a verdade é que existem muitas diferenças entre um condomínio coliving e uma república, que precisam ser avaliadas pelos interessados antes de se tomar uma decisão.

O condomínio coliving apresenta uma nova tendência de moradia que redefiniu o morar para uma forma mais prática e descomplicada de viver, atendendo o perfil atual da sociedade e das mudanças socioeconômicas que vêm acontecendo no Brasil e no mundo.

Vamos começar pela semelhança de ambos, já que as diferenças são diversas. As duas opções são bem próximas da econômica colaborativa, na qual, antes de tudo, é preciso seguir algumas recomendações, dividir custos, espaços e responsabilidades. Ambos os modelos incentivam a divisão de espaços, a troca de ideias, as experiências e a convivência entre as pessoas.

No entanto, no que diz respeito à estrutura dos locais, às facilidades ofertadas e ao próprio perfil dos moradores há diferenças bastante expressivas. Que tal conhecê-las?

Neste artigo, compreenda melhor o que difere um condomínio coliving de uma república. Acompanhe a seguir.

Principais diferenças entre condomínio coliving e república

1. Perfil dos moradores

Não que isso seja uma regra, mas universitários compõem a maior parte dos moradores de repúblicas – que, por isso, são também chamadas de repúblicas estudantis ou universitárias.

Por sua vez, quem procura por condomínio coliving, geralmente, são pessoas um pouco que estão com a vida profissional e financeira mais estabilizadas. Por isso, executivos, profissionais liberais e que trabalham home office, pós-graduandos, jovens casais, entre outros grupos, são alguns dos perfis mais encontrados entre os moradores de condomínios coliving.

2. Privacidade

Há repúblicas com quartos privativos ou também existem as opções compartilhadas, que geralmente são mais em conta, já as outras áreas como sala, banheiro e cozinha são comunitárias.

Já em condomínio coliving, os apartamentos são construídos em tamanho mais compacto, para garantir mais privacidade aos moradores. Quarto, banheiro e, em alguns casos, até cozinha e uma pequena sala são individuais e apenas alguns espaços, como lavandeira, ferramentaria, lounge, etc. são compartilhados. Aqui, as áreas de lazer, como academia, churrasqueira, salão de festas, escritórios, etc. têm acesso livre para todos os moradores. Assim, em um ambiente coliving as pessoas ficam mais livres para compartilhar momentos e exercerem sua individualidade sempre que tiverem vontade.

3. Serviços adicionais

Inicialmente, as repúblicas foram pensadas para cumprir um papel de dormitório e, por isso, as moradias não contam com grandes facilidades reunidas no mesmo local, os imóveis possuem ambientes padrões, compartilhados, como sala, cozinha, banheiro e lavanderia.

Enquanto isso os condomínios coliving oferecem outros serviços adicionais tanto para lazer, como, por exemplo, salão de festas, piscina, espaço kids, churrasqueira e sala de jogos, como também disponibilizam outras utilidades como academia, espaço de coworking, compartilhamento de carros e bikes, entre outros, tornando a moradia e o viver muito mais práticos e funcionais no dia a dia.

4. Segurança

Em condomínio coliving, existe uma grande preocupação em preservar a segurança dos espaços e de seus moradores, por isso, os sistemas de segurança são de última geração, contando com câmeras nas dependências coletivas, portaria, profissionais especializados e outros recursos para que os condôminos fiquem despreocupados. Essa prioridade nem sempre é encontrada nas repúblicas universitárias, que contam com possibilidades menores de investimento nesse tipo de iniciativa.

5. Divisão de despesas

Aluguel, compras, água, luz, internet e todas as despesas da casa são divididas mensalmente entre os moradores de uma república, o que pode gerar variações de um mês para o outro. Enquanto no condomínio coliving, as despesas são fixas e pagas à administradora do espaço, sendo que há despesas individuais e coletivas. Nesses espaços também há serviços do tipo pay-per-use.

Ainda nesse contexto, vale salientar que a divisão das despesas, a fim de se reduzir os gastos, é uma das prioridades de quem opta por morar nas repúblicas. No entanto, esse não costuma ser o fator preponderante para quem opta pelo condomínio coliving. Aqui, a prioridade é criar um senso de comunidade, ter mais praticidade na rotina, morar em uma boa localização, entre outras. 

6. Mobiliário

Os moradores de república se responsabilizam por seus móveis na hora da mudança, já quem opta pelo coliving geralmente não tem esse tipo de preocupação, pois o apartamento privativo conta com a possibilidade de já ser entregue mobiliado com armários sob medida, chuveiro, cama, etc. Alguns, inclusive, são ainda mais equipados, com geladeira, fogão, forno micro-ondas, etc.

7. Flexibilidade e personalização

No Brasil, já existem alguns empreendimentos coliving para moradia, a melhor notícia é que é possível se instalar naquele que mais se adapta as suas necessidades pessoais, sociais e financeiras. Por exemplo, você pode optar por vaga de garagem ou não, apartamentos com ou sem minicozinha, já decorados ou não e assim encontrar algo que esteja de acordo com aquilo que você busca. Já no modelo de república, geralmente, não há possibilidades como essa.

8. Organização

Como o perfil dos moradores de condomínio é, de modo geral, diferente do dos moradores de república, que são mais jovens e estão iniciando a vida profissional, o ambiente é mais organizado, higienizado constantemente, a manutenção é sempre periódica, etc.

9. Modernidade

Por ser tratar de um novo estilo de moradia, os condomínios coliving também são novos, equipados com as melhores tecnologias (como IoT, automação residencial, etc.), serviços e toda a modernidade que os moradores buscam. 

Enquanto isso, nas repúblicas, geralmente essa não é uma prioridade, visto que a redução de custos é um fator importante para quem busca esse tipo de moradia.

Para quem pensa em investir em um condomínio coliving, essa é a nova tendência de moradia urbana que promete revolucionar o mercado. E para aqueles que desejam morar bem, com conforto, segurança e flexibilidade para reinventar e recomeçar a vida sempre que necessário, essa também é a melhor opção!

E então, agora ficaram mais claras para você as diferenças entre condomínio coliving e república? Você pensa em adotar um desses tipos de moradia? Compartilhe suas dúvidas e experiências nos comentários!

0
master
Posts Relacionados